A minha versão das recordações

Cada um tem talvez a sua culpa
Toda culpa o seu porquê
Que em silêncio se perdoa por si
E cada um veste por si a sua verdade
Desde que fique nua a outra metade

Eu o digo a cada casa
A toda vitrine iluminada
Ao cachorro que me cheira
Ao homem e à sua rosa
Eu o digo aos cartazes
E ao mundo que nos viu
Pra me convencer que é verdadeira a qualquer custo
A minha versão das recordações

Pra que seja verdadeira a qualquer custo
A minha versão das recordações

(Francesco Gabbani)